Capa / Saúde / Enxaguante ou anti-séptico bucal: qual o melhor?

Enxaguante ou anti-séptico bucal: qual o melhor?

Um estudo realizado pelo cirurgião-dentista Marco Antônio Manfredini, pesquisador da USP sugere que o uso do enxaguante ou anti-séptico bucal cresceu em torno de 2.277% (sim, mais de dois mil por cento) de 1992 a 2007. Isso acontece principalmente por conta do alto investimento das empresas em propagandas dos desses produtos, o que acaba levando a um uso indiscriminado do enxaguante bucal. Nesse artigo, você confere as principais dicas de como escolher o melhor enxaguante bucal ou anti-séptico bucal para você, lembrando sempre que o ideal é consultar o seu odontologista para ouvir o que ele tem a dizer sobre tais produtos.

Enxaguante Bucal

Importância do enxaguante bucal

Por mais que usemos todos os dias, às vezes não paramos para pensar no que realmente o anti-séptico nos auxilia. Segundo especialistas em Odontologia, o produto não é obrigatório na higiene bucal, muito menos substitui a escovação correta e o uso do fio dental. Se você acha que aplicando-o sem escovar direito está se salvando de um trabalho chato, vai acabar se dando mal!

Porém, o enxaguante vem como auxiliar nos hábitos de limpeza bucal, sendo que destroem em torno de 20 a 80% da região, de acordo com a marca e componentes do produto. Além de eliminar tais bactérias, causadoras de problemas como a gengivite, mau hálito e placa bacteriana, o produto tem outras indicações.

Eles auxiliam os dentistas após cirurgias (evitando a proliferação bacteriana e aliviando inchaços ou abscessos e facilitando a manipulação), raspagem dentária, alta incidência de cárie e têm um papel importante em pessoas que não têm coordenação motora suficiente para realizar uma boa escovação (no caso dos portadores de Parkinson, por exemplo).

Nem todo produto é igual!

O uso indiscriminado do enxaguante bucal pode causar vários problemas bucais, como manchas nos dentes, irritações na mucosa da boca e até perda da gustação! Assim, não adianta ir pela roupa do sujeito na hora de comprar o seu produto: é preciso ficar atento!

Listerine

Esse é o mais famoso de todos, sem sombra de dúvidas. O problema é que o garotinho aí contém mais de 20% de álcool em sua composição (vamos discutir sobre o álcool logo abaixo). Reduz em até 52% a placa bacteriana e traz, além do flúor, vários óleos essenciais em sua composição, que dão o gosto forte ao produto.

Colgate Plax

Seu principal componente bactericida é o triclosan, que destroe de 20 a 50% da placa bacteriana bucal. Traz versões com álcool e sem álcool, bem como a versão Kids, tendo assim várias indicações.

Cepacol

Não traz flúor em sua composição e contém álcool. Seu principal agente bactericida é o cloreto de cetilpiridínio e tem ação bactericida de até 50%. Segundo estudos recentes, seus componentes podem causar manchas dentárias.

Periogard (Colgate)

Esse aqui é indicado somente em casos especiais de tratamento periodontal, de gengivas ou em outras cirurgias bucais. Reduz a proliferação bacteriana da boca em até 80%, evitando que os pacientes precisem escovar a área operada. O principal agente bactericida nesse produto é o gluconato de clorexidina e, por isso, não deve ser usado diariamente, pois pode causar manchas nos dentes e restaurações dentárias e alteram o paladar, atuando nas papilas gustativas. Portanto, é recomendável apenas em casos de tratamentos bucais, nunca devendo ser usado diariamente.

Enxaguante bucal com álcool

Esse assunto é a batata quente dos anti-sépticos bucais, sem sombra de dúvidas.

Uma revisão científica de literatura publicada em 2008 na Academia Dental Australiana compilou estudos de vários especialistas do mundo, concluindo que é possível, sim, o álcool do enxaguante bucal aumentar a incidência de câncer de boca.

O Listerine, por exemplo, contém mais de 20% de álcool na sua composição, uma taxa muito maior do que bebidas como o vinho e a cerveja. E, de acordo com os especialistas, os efeitos destrutivos do álcool dos enxaguantes acaba sendo maior porque ficamos mais tempo com eles na boca, ao contrário das bebidas, que costumamos engolir após poucos segundos.

Depois desse artigo, espero que você possa escolher da melhor forma possível o enxaguante ou anti-séptico bucal que usará e saberá das vantagens e desvantagens de cada marca. Até a próxima!

Sobre Marina Canfield

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Scroll To Top